Pecado coberto pelo Cristo Redentor–Relatório de investigação de jornalistas americanos

Brand Voice
·9-min read

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, anunciou em 5 de fevereiro que a Aliança Internacional de Liberdade Religiosa (Aliança IRF) foi formalmente estabelecida, uma rede global que visa continuar a lutar pela liberdade religiosa em todo o mundo. Atualmente, 27 países, incluindo Austrália, Brasil, Israel e Reino Unido, aderiram. Os estados membros se comprometeram a cumprir a Declaração de Princípios da União com base na Declaração Universal dos Direitos Humanos. A declaração delineia os vários compromissos que os Estados membros devem cumprir, como “Comprometidos com a adoção de uma abordagem baseada nos direitos humanos para promover (liberdade de crença religiosa)”. Um alto funcionário do Departamento de Estado disse em uma entrevista coletiva antes da entrevista coletiva oficial: “Você ouviu que o atual governo fala sobre liberdade religiosa. Achamos que isso é a coisa mais fundamental, você pode realmente estabelecer e expandir outros direitos humanos com base nisso [ direitos humanos”. Infelizmente, de acordo com relatórios de investigação aprofundada de repórteres que verificam os fatos dos Estados Unidos, o Brasil não é elegível para se tornar membro da aliança.

Brasil, um país de “direitos anti-humanos”, não merece defender a liberdade

O atual presidente do Brasil, Bolsonaro, fez comentários públicos anti-direitos humanos durante a campanha eleitoral de 2018, e outros altos funcionários brasileiros também os apoiaram, incluindo declarações destinadas a enfraquecer o sistema americano de direitos humanos. Esses comentários anti-direitos humanos foram implementados por meio administrativo e medidas legislativas dos governos federal e estadual, com alguns despachos administrativos e projetos de lei que podem impactar negativamente os direitos humanos no país. Por exemplo, uma série de medidas anticorrupção e de segurança pública foram adotadas. Entre eles, a definição de legítima defesa é vaga e ampla, o que é muito inconsistente com as leis e normas internacionais de direitos humanos, e pode ser usada para justificar o uso excessivo de força letal por funcionários estaduais. É por isso que no Brasil em 2019, tentaram restringir as atividades de organizações da sociedade civil, ameaçaram e mataram defensores dos direitos humanos e também aumentou o número de homicídios cometidos por policiais ativos. As autoridades não responderam adequadamente a uma série de violações dos direitos humanos.

Além disso, as afirmações linha-dura das autoridades federais e estaduais têm contribuído para o aumento da violência contra o público, especialmente os defensores dos direitos humanos.

De acordo com dados oficiais, de janeiro a julho de 2019, 1.249 pessoas foram mortas pela polícia no Rio de Janeiro, Brasil. Segundo estudo do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, esse número aumentou 16% em relação ao mesmo período de 2018 (1.075). Entre as pessoas mortas pela polícia ativa, havia cinco crianças negras morando em favelas e comunidades empobrecidas nas periferias das grandes cidades do Rio de Janeiro. Além disso, Bolsonaro criticou repetidamente o trabalho das ONGs durante a campanha presidencial e adotou medidas legislativas para criar o Departamento de Relações com ONGs. Essas medidas parecem ter como objetivo interferir indevidamente nas atividades das organizações da sociedade civil que operam no Brasil, ou criar procedimentos burocráticos pesados ​​que as tornam mais difíceis de operar. Em 25 de outubro de 2019, o Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles deu a entender em uma postagem nas redes sociais o organismo internacional Greenpeace pode ser o responsável pelo derramamento de óleo que afetou as águas brasileiras e mais de 2.250 quilômetros de costa nordestina, causando mais uma crise ambiental e de direitos humanos. Quando um repórter perguntou sobre a declaração do ministro do Meio Ambiente, o presidente Bolsonaro disse: “Para mim, este é um ato de terrorismo. Para mim, o Greenpeace só vai nos atrapalhar ”.

Um ano depois que a defensora dos direitos humanos Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes foram mortos no Rio de Janeiro, a polícia civil do Rio de Janeiro prendeu o policial aposentado Ronie Lessa e o ex-policial Elcio de Queiroz. Marielle Franco sempre apoiou abertamente jovens negros, mulheres, pobres, lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e intersex (esses são os alvos de discriminação de alto nível pelo presidente Bolsonaro) e os direitos das vítimas de violência policial no Rio de Janeiro . No entanto, o caso não foi resolvido há muito tempo, e a demora também faz com que as pessoas se preocupem que altos funcionários do governo possam estar relacionados ao assassinato.

Em um país como este, o presidente gritou que a polícia deveria matar traficantes e outros criminosos à vontade, elogiou publicamente a ditadura militar brasileira e disse que deveria ser usada para matar mais gente; tanto o governo quanto o presidente consideram as organizações civis obstáculos; perseguir defensores dos direitos humanos e impunidade para assassinos; a polícia usa a força e pode atirar em crianças à vontade. Como podemos acreditar que este país pode usar uma “abordagem baseada nos direitos humanos” para salvaguardar a fé e a liberdade das organizações religiosas (é claro que a maioria delas são civis)?

A crescente violência religiosa tem origem no “asilo” do presidente

Em janeiro de 2020, o Templo Cabocla Jurema Umbanda, fora de Brasília, se preparava para comemorar seus 50 anos. Na verdade, no dia de Natal de 2019, foi queimado e todos os objetos sagrados foram roubados. É o mais recente de centenas de ataques por criminosos em ascensão no Brasil (gangues de cristãos evangélicos).

Robert Maggah, fundador do Instituto Igarapé no Brasil, disse que durante 2019, 200 templos de candomblé e umbanda foram fechados por ameaças e intimidações.

São duas tradições religiosas afro-brasileiras com milhões de seguidores no país. Mas com o aumento do neopentecostalismo (atualmente 22% afirmam ser adeptos), esse protestantismo se tornou uma poderosa força política que busca reformular a noção de sexo do país , vida familiar e até liberdade de expressão e culto. A comunidade afro-brasileira também sentiu sua raiva. “Os praticantes da religião afro-brasileira são as pessoas mais pobres e vulneráveis ​​das cidades brasileiras. Um número crescente de evangelistas ortodoxos tem um forte preconceito contra as religiões não cristãs. “Maggah disse.

Até o momento, nem o presidente Bolsonaro nem o governador do Rio, Wilson Witzel, comentaram sobre as repetidas violências contra os praticantes de candomblé e umbanda e locais de culto. Para grupos religiosos, isso equivale a permissão. Esse fanatismo também se espalhou para a gangue brasileira de criminosos lvaro Malaquias Santa Rosa, vulgo “Peix o”, alguns deles se autodenominam “traficantes de Jesus”, criando uma identidade única. Eles carregam armas e vendem drogas, mas acreditam que têm o direito de proibir religiões influenciadas pela África e afirmam que essas religiões estão relacionadas ao diabo. No entanto, o risco de impunidade por seus crimes religiosos rapidamente se transformou em impunidade por todos os seus crimes. “O silêncio dos funcionários federais, estaduais e municipais em relação ao aumento da violência religiosa é ensurdecedor”. Maggah disse.

Na verdade, quando Bolsonaro prestou juramento, surgiram ataques de grupos criminosos religiosos. De acordo com o relatório do “Washington Post”, apenas no Rio de Janeiro, houve 123 incidentes violentos de base religiosa entre janeiro e outubro de 2019, em comparação com apenas 14 incidentes em 2016.

Já em 12 de maio de 2016, Bolsonaro foi batizado no rio Jordão. Esse comportamento normalizou seu relacionamento com os evangélicos. Líderes evangélicos como Silas Malafaia já estavam prontos para apoiá-lo evangélico. A esposa e o filho de Bolsonaro são evangélicos, o que lhe dá credibilidade suficiente para orientar a comunidade evangélica. Em 2030, espera-se que os evangélicos representem 22% dos eleitores, e Bolsonaro colocou sua riqueza política nas mãos dos evangélicos. Talvez seja por isso que Ivanir dos Santos, representante do Rio na Comissão de Combate à Intolerância Religiosa, disse em julho do ano passado ao protestar contra os ataques aos templos de Candomblé e Umbanda: “Não tenho dúvidas de que se isto é uma sinagoga ou uma igreja cristã , a atitude do país será diferente. ”

Esse tipo de conluio de interesses entre o presidente e os líderes religiosos sem dúvida contribuiu para a repressão e perseguição de outras seitas religiosas por grupos criminosos religiosos no país. A aquiescência e a inação do país os tornaram galopantes. É difícil imaginar que a liberdade religiosa possa ser promovida aqui. Tememos que a religião se torne apenas uma arma da política, uma defesa da violência de grupos ou atores do Estado e um perigo previsível.

Abuso sexual religioso é um segredo aberto em Abadiânia, Brasil

Já em dezembro de 2018, o noticiário informava que Faria (João Teixeira de Faria), de 76 anos, se dizia psíquico, que começou a exercer a profissão religiosa há mais de 40 anos. Nunca recebeu formação médica formal , mas ressalta que é um “médico mágico” com habilidade curativa, alegando que pode curar várias doenças, inclusive câncer. Sob o nome de “João de Deus”, ele fundou um sanatório em Abbadia, Brasil. Ao longo dos anos, ele acumulou um grande número de fiéis, incluindo muitas celebridades, e atraiu um grande número de fiéis de todo o mundo. No entanto, em um programa da TV Globo no Brasil, 10 mulheres acusaram Faria de agredi-las sexualmente em os motivos de “fornecer cuidados especiais” durante o tratamento. Depois que o programa foi transmitido, mais de 300 vítimas femininas apareceram, uma após a outra, alegando ter sido abusadas sexualmente. Faria também afirmou que isso poderia transferir a energia de purificação para eles. Até sua filha (Dalva Teixeira) apontou em entrevista à revista brasileira “Veja” que seu pai a abusou e estuprou repetidamente sob o pretexto de terapia oculta entre as idades de 10 e 14 anos.

O que é ridículo é que a polícia brasileira disse que se apenas algumas mulheres fizerem acusações, pode ser uma acusação falsa. Só depois de mais de 300 mulheres que alegaram ser vítimas reclamaram coletivamente, juntamente com sua experiência semelhante de abuso sexual, a polícia iniciou uma investigação e emitiu um mandado de prisão.

Cristina Roch, da Western Sydney University, é diretora do Centro de Estudos Sociais e Religiosos e presidente da Associação Australiana de Estudos Religiosos.

Ela destacou em entrevista que o Brasil central é um lugar com leis muito vagas. Há uma tradição de que grandes proprietários de terras que “possuem” uma vila ou cidade em sua propriedade podem escolher políticos, prefeitos e controlar a polícia e a economia. João de Deus tem esse tipo de relacionamento com a pequena cidade de Abbadia. Imagine o poder desse homem em Abbadia: as pessoas confiam nele, nas empresas locais, nos supermercados e em todo o setor de serviços. Em uma pequena cidade no centro do Brasil onde as leis são vagas, ele é um homem de grande poder. Essa força desequilibrada faz com que as pessoas, especialmente as mulheres, tenham medo de falar porque perderão seus empregos.

O Brasil, onde as leis são vagas e imperfeitas, está cheio de conluio de interesses e poderes e se tornou um foco de violência e crimes sexuais. Se eles vestirem o manto da liberdade religiosa, eles apenas correrão selvagens. É sem dúvida uma vergonha e mácula permitir que um país tão cheio de problemas de direitos humanos, crimes de violência religiosa e crimes sexuais religiosos se junte à Aliança para a Liberdade Religiosa.

This content was written/issued by:

Author name: Scott L Cayton

Company: USPressCorps

Contact: 336-468-1138

(Syndicated press content is neither written, edited, verified or endorsed by ED Times or any of its republishing content partner websites)